Notícias do Sindimoc

Imagem

Dia 3 de dezembro Câmara vota regime de urgência da Lei do Desemprego

Curitiba, 23 de novembro de 2018 | 18h02

Imprimir   Enviar por e-mail

Depois de aprovada urgência, projeto entra em votação 72 horas depois

Na primeira segunda-feira de dezembro (3), acontecerá a votação do regime de urgência do projeto que estabelece bilhetagem geral em todo o sistema de transporte coletivo, a chamada Lei do Desemprego, a qual causa a demissão de 6.000 cobradores.

É importante que todos os trabalhadores da categoria estejam presentes na Câmara Municipal de Curitiba neste dia, já que temos o poder de sensibilizar os vereadores em prol da nossa causa. A maior prova disso, é o sucesso da campanha Somos Todos Cobradores, que abriu os olhos dos nossos representantes políticos e da sociedade como um todo.

 

REGIME DE URGÊNCIA

Tendo conquistado o apoio da maioria dos vereadores por meio de um trabalho de corpo a corpo de mais de 20 dias, o Sindimoc resolveu pedir a votação em regime de urgência, através do diretor e vereador Rogério Campos. “Temos votos suficientes para derrotar o projeto, então a hora de votar é agora. Não vamos permitir que pais e mães de família virem Natal e Ano Novo com a faca no pescoço”, afirma o presidente Anderson Teixeira.

O protocolo do regime de urgência foi feito por Anderson e Rogério na segunda-feira (19) na Câmara Municipal de Curitiba. Nesta terça-feira (20), durante Ato na Palácio Rio Branco, a categoria agradeceu aos vereadores pelo apoio. Nesse mesmo dia, Campos decidiu adiar a votação para o início de dezembro, para que não existissem especulações de que essa luta teria relação com o período eleitoral do sindicato.

Durante o ato, 18 vereadores foram ao caminhão de som e manifestaram-se contra a proposta. Outros 4 vereadores assumiram posição favorável aos cobradores no plenário da Câmara. Do total de apoiadores, 13 são da base do prefeito e nove são da oposição.

“A mobilização respeitosa e ordeira dos trabalhadores ao longo das últimas semanas sensibilizou um grande número de vereadores e também a opinião pública. No atual contexto econômico, ninguém admite a hipótese de termos 6.000 desempregados da noite para o dia”, afirma Anderson Teixeira.

“Já que a prefeitura não retirou o projeto, apesar do nosso pedido, agora vamos votar tendo a maioria dos vereadores apoiando nossa causa. Os trabalhadores não podem virar o ano na incerteza, sem saber seu futuro”, argumenta o diretor do sindicato, Rogério Campos. Na passeata realizada uma semana antes, até a Prefeitura de Curitiba, a categoria entregou um pedido de retirada do projeto.

 

APOIO DOS VEREADORES

Durante a sessão plenária desta terça-feira (20), após o contato direto dos vereadores com a categoria e a entrega do Diploma de Agradecimento do Sindimoc. Os vereadores se mostraram preocupados com a finalidade da Prefeitura com a proposta, deixando o seu apoio aos trabalhadores do transporte coletivo.

É o caso do Professor Euler (PSD):  “Se a categoria achar que a urgência é o mais adequado, eu vou junto com a categoria. [...] Temos vários especialistas de outros temas aqui na Casa e quando se fala de transporte público eu busco ouvir o vereador Rogério Campos. Quando ele fala que o projeto é ruim, é nele que eu devo acreditar. Eu tenho que partir do princípio da boa-fé, que ele busca trabalhar em prol dos cobradores. Se ele quiser colocar o regime de urgência, acredito que é a decisão acertada”.

Compartilhe esta notícia
   
 

Comente esta notícia

Nome

E-mail

Empresa

Digite o código ao lado

código captcha

Comentário (máximo 600 caracteres) | Restam: