Ação do Sindimoc diminui número de arrastões no transporte coletivo

Mesmo com a queda no número de ocorrências, grupo criminoso tem atuado nas linhas entre Curitiba e São José dos Pinhais

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) tem trabalhado junto com a Polícia Militar (PM) e as empresas de ônibus para diminuir os índices de violência no transporte coletivo. No último ano, o número de assaltos e arrastões registrados caiu cerca de 67%, passando de oito para cerca de três ocorrências por dia em Curitiba e RMC. Entretanto, desde julho as ações de um grupo criminoso estão mais frequentes nas linhas que operam entre a capital e São José dos Pinhais.

É o caso das linhas Urano e Curitiba/São José, que têm sofrido com o mesmo grupo de assaltantes. No modus operandi dos criminosos, eles embarcam no Terminal Guadalupe e, assim que o ônibus deixa o local, eles começam o assalto, seguido de arrastão. Depois, desembarcam no Viaduto do Capanema, próximo da Avenida Comendador Franco. Entre os dias 14 e 23 de julho foram ao menos oito assaltos registrados pelas câmeras de segurança dos ônibus, muitos deles com ameaças aos passageiros e trabalhadores do transporte coletivo. Em um dos arrastões, os assaltantes cortaram a barriga de um passageiro. No dia 24 de julho, com a atuação conjunta entre a empresa que opera a linha, Sindimoc e PM, o grupo foi preso.

Já no dia 18 de agosto, o único que ainda estava preso teve o alvará de soltura expedido pela Justiça, sendo solto por volta das 15 horas. Às 23h do mesmo dia, as câmeras registraram uma nova ação dos indivíduos. “Imagine o psicológico dos trabalhadores, sabendo que esses caras estão soltos. Teve motorista que foi assaltado pelo mesmo criminoso três vezes”, afirma Ari Dario Pereira, diretor do Sindimoc e responsável pelo setor de inteligência da entidade. “Eles são extremamente violentos, tanto que na última vez ele ameaçou os passageiros”, explica Dario.

Apesar da diminuição no número de ocorrências, os índices continuam altos. “Com uma média de dois, três assaltos por dia, isso chega a 700 até agora, isso dos que são registrados. Por isso, precisamos sempre que a população registre o Boletim de Ocorrência (BO), pois só assim a PM poderá prender esses bandidos”, explica Dario. “O mesmo vale também para os motoristas e cobradores, que têm que conviver com esse medo todos os dias”, lembra.

O Sindimoc está trabalhando em conjunto com a PM e as empresas para diminuir os números de ocorrências, principalmente na região do Terminal Guadalupe, onde o grupo criminoso tem atuado. Entretanto, somente com a ajuda da população, que deve registrar o BO, é que esses criminosos sairão das ruas.
 

Categorias: